Últimos assuntos
» Novo blogue: Aves do Menino
por marcomenino Seg Nov 04, 2013 8:16 pm

» Apresentação....Alexandre Almeida
por alex-jose Seg Jul 01, 2013 10:44 am

» Luz Artificial / Extractor
por Agaboy Ter Abr 09, 2013 4:09 pm

» Aves do Miguel
por AVESDOTIRABICOS Sab Fev 16, 2013 11:14 pm

» O melhor nos personatas
por AVESDOTIRABICOS Sab Fev 16, 2013 10:55 pm

» SERÁ QUE AINDA VALE A PENA?
por JSalvado Sex Fev 15, 2013 12:04 am

» Colocação de aves novas em espaço de criação
por JSalvado Qui Fev 14, 2013 11:53 pm

» FOTOS DOS NOSSOS CASAIS - RING NECKS
por orni Ter Jan 29, 2013 11:06 pm

» FOTOS DOS NOSSOS CASAIS - CABEÇA DE AMEIXA
por orni Ter Jan 29, 2013 11:03 pm

» Apresentação do Plantel 2013
por Edgar Tourita Seg Jan 28, 2013 9:06 pm

» Proucuro Agapornis Persontas!
por Miguel Pereira Sex Jan 25, 2013 8:12 pm

» FOTOS DOS NOSSOS CASAIS DE 2013 - RED RUMPS
por Rosibird Qui Jan 24, 2013 11:45 pm

» como funcionam os cites?
por Américo Neves Dom Jan 20, 2013 9:30 pm

» Criações 2013
por Miguel Pereira Sex Jan 18, 2013 1:24 am

Conectar-se

Esqueci minha senha


Um sistema de criação de ringnecks - Pedro Ramalho

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Um sistema de criação de ringnecks - Pedro Ramalho

Mensagem  Ricardo Mendao Silva em Qua Out 05, 2011 6:51 pm

Um sistema de criação de Ringnecks

Por Pedro Ramalho


A criação de Ringnecks Psitaculla krameri sp. está actualmente num período de estagnação após ter atingido um pico de popularidade no início deste século.
O Ringneck é um psitacideo de médio porte com 4 subespécies, duas delas africanas o Psitacula krameri krameri e o Psitacula krameri parvirostris e duas asiáticas o Psitacula krameri manilenssis e o Psitacula krameri borealis, destas apenas 2 foram importadas para a Europa em número significativo, nomeadamente o Psitacula krameri krameri e o Psitacula krameri manilenssis, a subespécie africana apesar de ter sido importada em grandes números nas décadas de 80 e 90 nunca foi muito popular, em parte devido ao seu baixo preço, mas também por ser mais pequena que a subespécie asiática e não apresentar naquela época mutações. A subespécie asiática rapidamente conquistou admiradores devido à sua robustez, facilidade de criação, dimorfismo sexual, e muitas mutações existentes, o seu único inconveniente são os gritos que emite ao amanhecer e ao fim do dia que podem ser algo incomodativos, especialmente se os vizinhos quiserem ficar a dormir ao fim de semana.
Existem várias maneiras de manter estas aves em cativeiro com sucesso, o objectivo deste pequeno artigo é descrever o sistema por mim seguido quando os mantinha, e dar algumas ideias sobre as suas mutações, para quem quer começar a sua criação.
O sistema que eu recomendo para criar Ringnecks é mais complicado do que o normal e é de gestão mais intensiva, mas permite obter um maior número de crias por casal, e tem a vantagem que pode ser facilmente adaptado ás possibilidades de cada um.
As minhas aves são mantidas num sistema duplo, ou seja aos casais na época de reprodução e em bando fora desta, isso permite-me maior flexibilidade em termos de escolhas de casais ao mesmo tempo que facilita-me a ida para ferias, uma vez que ficam muito menos gaiolas para tratar.
É possível criar Ringnecks numa variedade de instalações e seria fútil estar a indicar um modelo tipo, porque vamos estar sempre condicionados pelo clima da zona e pelo espaço disponível, o que eu aconselho é que façam as melhores instalações que possam dentro do orçamento, mais vale gastar mais nas instalações e atrasar a compra de alguns casais do que poupar nas instalações e ter depois problemas devido a isso.
Dito isto:
Os Ringnecks precisam de espaço para voar e é portanto aconselhável que as gaiolas tenham um comprimento acima dos 2 metros, sendo este o comprimento mínimo para tentar a sua reprodução.
-Num sistema ideal a comida seria fornecida no lado oposto ao ninho, mas tal é raramente possível, já que obriga a ter uma instalação fechada com corredores de acesso tanto à frente como atrás e isso raramente é viável em termos de espaço, o essencial é que seja possível tratar das aves no menor espaço de tempo possível se a zona de alimentação ficar junto ao ninho;
-O ninho pode ser interno ou externo, mas tem que ser acessível externamente e de tal modo que seja prático uma vistoria diária, as dimensões podem variar, os meus são caixas com 60 de alto por 30x30 com um buraco perto do topo de 6 cm e uma escada de rede, a porta de inspecção está situada a 10 cm do fundo do ninho no lado oposto ao buraco de entrada, isto permite que a ave tenha facilidade em sair do ninho sempre que o formos ver e o facto de ter uma “borda” de 10 cm impede que os ovos rebolem para fora.
- Outro ponto importante são os poleiros, é imprescindível que eles fiquem a uma distância tal da parede da gaiola que a ave não roce a sua cauda nesta, alem disso deve ser possível proceder à sua troca sempre que necessário. O sucesso na época de criação começa a ser construído com as instalações é portanto altamente conveniente que o futuro criador visite tantos aviários quantos possíveis para tirar ideias, e tente conversar com os criadores sobre que alterações fariam se pudessem. Construídas as instalações está na altura de comprar as aves, aqui a regra é sempre a mesma, só comprar crias do ano ou jovens com 2 anos, adultos só em ultimo caso e só se merecer mesmo a pena, e só e é mesmo só se estiverem anilhados (claro que se comprarem directamente ao criador e por qualquer motivo ele não tiver anilhado as crias é uma excepção), nunca comprar adultos em loja e mesmo em criadores só se houver uma boa razão para a venda.
A melhor altura para se proceder as novas aquisições é em Setembro, as aves novas já fizeram a muda e não está nem, muito calor nem muito frio, as novas aquisições devem ser sempre isoladas fisicamente do restante do plantel e serem tratados separadamente para evitar contaminações cruzadas.
Os Ringnecks tem um dimorfismo sexual que consiste no anel à volta do pescoço que o macho adulto exibe, este anel consiste em duas partes, na parte inferior é preto na parte superior é rosa e preto, a cabeça do macho é também mais azulada (depende da subespécie) O dimorfismo só é visível a partir da segunda ou da terceira muda, no entanto se arrancarmos algumas penas na zona do colar a uma ave jovem que já tenha feito a 1ª muda, as penas que nascem podem vir já com a cor definitiva, permitindo conhecer o sexo. Existem mutações como o albino e o malhado recessivo em que o dimorfismo sexual está ausente, nestes casos teremos que nos guiar pelo comportamento. Em termos comportamentais, os machos jovens começam a exibir o comportamento típico da corte após o seu primeiro ano de vida, assim eles “empinam-se” e dilatam/contraem as pupilas, tentam também alimentar os companheiros de gaiola. No entanto para se ter a certeza a 100% é preciso esperar pelo aparecimento do colar ou fazer uma sexagem por endoscopia ou analise do DNA.

© Copyright, Pedro Ramalho
avatar
Ricardo Mendao Silva
Admin

Mensagens : 304
Data de inscrição : 04/10/2011
Idade : 33
Localização : Pontével

Ver perfil do usuário http://www.orniware.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum